Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – MA pr.carlospinheiro@pazevida.org.br

Pr. Danilo Queiroz

Pr. Danilo Queiroz

Sede Estadual – CE   pr.daniloqueiroz@pazevida.org.br  

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – PR pr.danyelpagliarin@pazevida.org.br

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal pr.fabiohenrique@pazevida.org.br

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – BA   pr.delson@pazevida.org.br

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Distrital – DF   pr.marciodasilva@pazevida.org.br

Pr. Alexandre Teodoro

Pr. Alexandre Teodoro

Sede Estadual – RJ pr.alexandreteodoro@pazevida.org.br

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Nacional – SP   pr.neilton@pazevida.org.br  

Pr. Marcelo Torres

Pr. Marcelo Torres

Sede Estadual - SE pr.marcelotorres@pazevida.org.br

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – PE pr.joaquimneto@pazevida.org.br

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO pr.dionatanfreitas@pazevida.org.br

Pr. Raphael Batista

Pr. Raphael Batista

Sede Estadual – RS pr.raphaelbatista@pazevida.org.br

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB pr.reginobarros@pazevida.org.br

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Estadual - PI pr.sandropinheiro@pazevida.org.br

Pr. Ademir Pereira

Pr. Ademir Pereira

Sede Estadual - RN pr.ademirpereira@pazevida.org.br  

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM pr.luciano@pazevida.org.br

Pr. Weslley Santos

Pr. Weslley Santos

Sede Estadual – AL pr.weslleysantos@pazevida.org.br

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual – MG pr.jeanvilela@pazevida.org.br

Pr. Márcio Candido

Pr. Márcio Candido

Sede Estadual – PA pr.marciocandido@pazevida.org.br

O que se sabe sobre tratamento brasileiro que teria eliminado HIV de paciente

O caso de um homem brasileiro de 35 anos que está há mais de 57 semanas sem sinais do vírus do HIV no corpo — com o qual fora diagnosticado em 2012 — após receber tratamento em um estudo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) é um dos destaques da 23ª Conferência Internacional da Aids, realizada ao longo desta semana online.

Nesta terça-feira (7), o líder da equipe, o médico brasileiro Ricardo Sobhie Diaz, apresentou brevemente o caso em uma coletiva de imprensa virtual, disponível no YouTube.

A BBC News Brasil tentou obter entrevista e materiais sobre a pesquisa com a Unifesp e a organização da conferência internacional, mas não teve retorno até a noite de terça-feira (7).

Na coletiva de imprensa, a mediadora apresentou a pesquisa brasileira como possivelmente o "primeiro caso de remissão a longo prazo do HIV sem um transplante de medula" — procedimento usado em dois casos considerados curados no mundo, na Alemanha e no Reino Unido.

No caso do estudo da Unifesp, o tratamento foi à base de medicamentos.

O tratamento adicional com dolutegravir, maraviroc e nicotinamida foi recebido pelo homem em 2016; depois do período de 48 semanas, ele voltou a usar somente o coquetel regularmente utilizado para controlar a Aids.

Em março de 2019, ele parou de receber qualquer tratamento contra o HIV. Testes laboratoriais rotineiros em seu organismo desde então não detectaram o material genético do vírus.

Diaz também comemorou que houve um "declínio muito forte" nos anticorpos detectados — uma vez que estes são uma resposta a microrganismos potencialmente nocivos, seu sumiço é outro indicativo de eliminação do vírus.

Na coletiva, o brasileiro foi questionado por colegas se os resultados que mostraram quedas do DNA do vírus e anticorpos foram confirmados também em laboratórios independentes, ao que respondeu que ainda não. A necessidade de comprovar estes resultados em novos e independentes testes foi uma lacuna importante apontada por cientistas que comentaram as limitações da pesquisa brasileira.

Ao jornal americano New York Times, Monica Gandhi, especialista em HIV na Universidade da Califórnia em San Francisco e uma das organizadores da conferência, afirmou que os resultados são "animadores", mas "ainda muito preliminares".

Também não ficou claro o que aconteceu com outros pacientes que receberam a mesma combinação de medicamentos que o homem de 35 anos em 2016.

Há alguns anos, Diaz e sua equipe vêm trabalhando com duas frentes para tratamento — e eventual cura — da Aids. Uma é com o tratamento medicamentoso que bloqueia a replicação do vírus e elimina células em que ele fica latente; a outra, uma vacina que estimula o sistema imunológico no combate ao patógeno.

Fonte: Bem Estar

bannerMemorial

Aguarde Novas Atualizações