Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   pr.sandropinheiro@pazevida.org.br

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI pr.marciodasilva@pazevida.org.br

Pr. William Alves

Pr. William Alves

Sede Estadual – PA pr.williamalves@pazevida.org.br

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO pr.dionatanfreitas@pazevida.org.br

Pr. Wesley Santos

Pr. Wesley Santos

Sede Estadual – PR pr.weslleysantos@pazevida.org.br

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM pr.luciano@pazevida.org.br

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual - RN pr.crescio@pazevida.org.br

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE pr.gilvamgomes@pazevida.org.br

Pr. Emerson Stevanelli

Pr. Emerson Stevanelli

Sede Estadual – PB pr.emerson@pazevida.org.br

Pr. Leonardo Pinheiro

Pr. Leonardo Pinheiro

Sede Estadual – MA pr.leonardopinheiro@pazevida.org.br

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – RJ pr.danyelpagliarin@pazevida.org.br

Pr. Raphael Batista

Pr. Raphael Batista

Sede Estadual – RS pr.raphaelbatista@pazevida.org.br

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal pr.fabiohenrique@pazevida.org.br

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL pr.carlospinheiro@pazevida.org.br

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PE pr.delson@pazevida.org.br

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – MG pr.joaquimneto@pazevida.org.br

Pr. Reinaldo Rosário

Pr. Reinaldo Rosário

Sede Estadual – CE pr.reinaldorosario@pazevida.org.br

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Internacional – SP   pr.neilton@pazevida.org.br  

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – BA   pr.reginobarros@pazevida.org.br

Pobreza avança no país e atinge um em cada quatro brasileiros

Mais de um quarto da população brasileira atravessou o ano de 2017 abaixo da linha da pobreza, com ganhos de cerca de R$ 406 por mês.

De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a situação cresceu 0,8 ponto percentual na comparação com 2016 e afetou 55 milhões de pessoas no ano passado — 26,5% do total de 208 milhões de habitantes do país.

As informações foram apresentadas nesta quarta-feira (5) e levam em conta indicadores do Banco Mundial.

A instituição classifica o Brasil como um país de "renda média-alta" e sugere que qualquer pessoa que sobreviva com menos de US$ 5,50 (cerca de R$ 20) por dia está em situação de pobreza.

ambém aumentou, entre 2016 e 2017, o percentual de pessoas com rendimento domiciliar per capita inferior a US$ 1,90 por dia (cerca de R$ 7), valor configurado como extrema pobreza global. A faixa de renda é sugerida para países de baixa renda e aqueles marcados por conflitos recentes, como Afeganistão, Haiti e Síria.

"Ainda que haja discussões sobre diversas linhas de corte, de acordo com a classificação de renda dos países, o valor de US$ 1,90 diários per capita em PPD (Paridade de Poder de Compra) é atualmente o limite para a definição de extrema pobreza global", explica o IBGE.

Em 2016, o estudo mostrava 6,6% da população abaixo desta linha. O número avançou para 7,4% no ano passado e passou a atingir mais de 15 milhões de brasileiros. De acordo com as informações, a pobreza no Brasil atinge mais as crianças e adolescentes de até 14 anos e a homens e mulheres pretos ou pardos.

Brasil tem 55 milhões de pessoas que vivem com menos de R$ 20 por dia

Eduardo Anizelli/Folhapress – 06.03.2018

 

Regiões

 

Na análise dos 55 milhões de indivíduos com renda inferior a US$ 5,50 diários por regiões, quase metade deles (44,8%) estão localizados no Nordeste do pais. A área responde também pelo maior percentual de sua população com renda inferior à utilizada na definição de pobreza.

O percentual de pessoas na linha da pobreza também cresceu na passagem de 2016 para 2017 nas regiões Sul e Sudeste. Por outro lado, os Estados localizados no Norte e Centro-Oeste do país viram o percentual de moradores cair no período.

Entres os Estados específicos, Maranhão (54,1%) e Alagoas (48,9%) foram os que registraram os maiores percentuais de pessoas com rendimento domiciliar inferior a US$ 5,50 por pessoa no ano passado.

Na contramão, aparecem Santa Catarina (8,5%) e Rio Grande do Sul (13,5%), que têm a menor quantidade de moradores vivendo em linha com a pobreza.

 

 

Fonte: R7


bannerMemorial

Aguarde Novas Atualizações